Mara Maravilha defende Feliciano e se diz a favor da ‘cura gay’ na TV

Mara Maravilha anda fazendo de tudo para aparecer. Recentemente, em uma entrevista à revista Quem, disse que sofria preconceito por ser heterossexual. Agora, durante uma entrevista ao Morning Show, da RedeTV!, disse que comportamentos homossexuais são aberrações e defendeu as atitudes do deputado Marco Feliciano à frente da Comissão de Direitos Humanos na Câmara.

• "Eu sinto preconceito quando digo que sou hétero", diz Mara Maravilha em entrevista

A ex-drogada e agora cantora gospel afirmou que o deputado, que é pastor, está sendo considerado um "Judas" por ter uma "opinião diferente". A ex-apresentadora infantil e capa da Playboy de fevereiro de 1990 refere-se ao fato de Marco Feliciano ter conseguido a aprovação na Comissão de Direitos Humanos de um projeto de lei popularmente chamado de "cura gay".

" O Feliciano está sendo que nem Judas, estão atirando pedra nele. Mas igual a ele, vou te assegurar uma coisa, muitos pensam como ele. Eu, particularmente, gosto muito e respeito muito o pastor Marco Feliciano. Eu acho, assim como ele, que todos nós podemos ter as nossas opiniões. Tá faltando uma democracia. Tem que se respeitar o gay, mas tem que respeitar também a opinião de quem não pensa igual a eles. Eu, por exemplo, tenho orgulho de ser mulher, de ser hétero. Mas isso não quer dizer que estou ofendendo quem é homo. Eu acho que o fato de não respeitar nossa opinião é preconceito. A gente pode ter opinião contrária, não?", afirmou a ex-funcionária do SBT.

E, claro, ela ainda foi além. "Eu acho que ser gay é uma opção, é uma escolha. Essa cura pode ser mental, espiritual, depende da forma. Eu mesma já vivi vários tipos de cura na alma. Eu conheço muitos homossexuais que querem a cura. Na minha igreja mesmo. Dizem: 'eu queria me ver livre disso'. É de cada um", concluiu Mara, que também criticou, veladamente, Daniela Mercury que assumiu um relacionamento homossexual com a jornalista Malu Verçosa.

Quem quiser ouvir toda a conversa, clica aí no play: