Foto: Reprodução

Livro que inspirou a série ‘Game of Thrones’ é uma ótima fantasia medieval para adultos

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Costumo ler um livro em uma semana. A Guerra dos Tronos, obra que deu origem à série Game of Thrones, me tomou três. Depois de muito tempo adiando a leitura desse que é um dos maiores fenômenos atuais da cultura pop, finalmente me rendi à obra de George R. R. Martin. E não poderia estar mais arrependido de não ter dado essa chance antes ao autor.

Apesar de ser extremamente longo e confuso no começo, A Guerra dos Tronos é realmente muito bom, fazendo jus à todo sucesso que vem apresentado ultimamente. Lançado inicialmente em 1996, o sucesso só veio mesmo em 2010 após a adaptação dos livros para a TV pela HBO.

Tirando a quantidade de páginas (na versão pocket são mais de 1000) e a quantidade de personagens, A Guerra dos Tronos é muito divertido. É uma fantasia medieval para adultos, com temas pesados, como incesto, violência e sexo explícito.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Falar sobre a história é até um pouco difícil porque são várias coisas acontecendo ao mesmo tempo. Tudo se passa no continente de Westeros e seus Sete Reinos governados pelo Rei Robert Baratheon. Após a morte de seu braço direito, chamado de Mão do Rei, Robert convida o amigo de infância Eddard (Ned) Stark para ocupar a posição. Ao assumir o cargo, ele começa a suspeitar que Mão do Rei anterior foi na verdade assassinado. Em paralelo à história em Porto Real, temos a história em Winterfell, lar dos Stark, e a trama de Daenerys Targaryen, a filha do antigo rei e descendente dos dragões.

Os personagens (os principais, porque os secundários são inúmeros) são muito bem construídos e nada manjados. Nenhum deles é de todo bom e de todo ruim. Até porque é possível conhecê-los a fundo na grande extensão de páginas do livro. Mas, na minha opinião, destacam-se o anão Tyrion, Ned, Catelyn e Dany Khaleesi.

O estilo de Martin é sim muito descritivo, mas nada comparado à Tolkien. O livro é narrado em terceira pessoa e cada capítulo tem um personagem como centro dos acontecimentos. Isso dá fluidez à história que tinha tudo pra ser parada. E de parado, A Guerra dos Tronos não tem nada.

Tanto que tantas reviravoltas deixaram um gancho enorme para o segundo livro, que só tenho planos para ler em janeiro. É um livro muito bom, mas muito cansativo. Mas todo o cansaço vale a pena. Se não leu ainda, vá ler RIGHT NOW.