Foto: Reprodução

Após denúncia de assédio e afastamento na TV, José Mayer se desculpa em carta

O ator José Mayer desculpou-se por meio de uma carta aberta sobre a denúncia de assédio feita pela figurinista Sussllem Meneguzzi Tonani ao blog #AgoraÉQueSãoElas, do jornal Folha de S. Paulo. Após a direção da Rede Globo emitir uma nota (leia abaixo) sobre o afastamento do ator das funções na emissora e o cancelamento de qualquer escalação sua para produções da casa enquanto o caso seja apurado, ele, que havia considerado suas atitudes “uma brincadeira”, voltou atrás e admitiu o erro.

Siga @FicaQuietinho no Instagram

“Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora”, começa o texto do ator, escrito em primeira pessoa. “Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço”, segue a carta que pode ser lida completamente mais abaixo.

Protesto

Durante esta terça-feira, 4, funcionárias e colaboradoras da emissora fizeram um protesto contra as atitudes de José Mayer e em solidariedade à figurinista. Cissa Guimarães, Drica Moraes e outras atrizes da Globo encabeçaram a campanha #CHEGADEASSÉDIO e publicaram fotos em seus perfis no Instagram usando uma camiseta com a frase “Mexeu com uma, mexeu com todas”. Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da TV, enviou um e-mail a todos os funcionários da Globo com a posição da emissora apoiando o protesto realizado.

Mais adesões

E por conta do protesto, o Spotify criou uma playlist de apoio à campanha #chegadeassédio. Foram selecionadas 20 músicas cujos títulos formam uma mensagem sobre a importância de não se calar diante de qualquer tipo de assédio:

Confira a íntegra da carta de José Mayer:

Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

José Mayer

Confira a nota da Rede Globo:

“A Globo decidiu não escalar José Mayer para a próxima novela das nove de Aguinaldo Silva, prevista para ir ao ar em 2018. Essa é uma atitude isenta e responsável da Globo de não dar visibilidade a uma das partes envolvidas numa questão que é visceralmente contra tudo que a Globo acredita. E não é uma atitude isolada. A atitude da Globo será sempre essa. A de defender que casos como esse devem ser apurados, ouvindo e oferecendo todo apoio às duas partes, dando possibilidade para que a verdade aflore e criando condições para que não se repitam. Foi isso que fizemos. E é isso que sempre faremos”, diz  o texto.