Foto: Divulgação

Pedacinho de Chão ou vai ser um sucesso total ou vai ser um desastre desgraçado”, brinca autor

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira, 7, estreia na Globo Meu Pedacinho de Chão, o retorno de Benedito Ruy Barbosa às produções folhetinescas da emissora após cinco anos afastado por conta de um AVC. Animado com a volta à lida, o autor deu uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo neste sábado e falou sobre o processo de criação, a produção e a felicidade em repetir suas certeiras parcerias com diretor Luiz Fernando Carvalho, como em Renascer e O Rei do Gado.

Para começar o papo, Benedito deixa bem claro que não está fazendo um remake daquilo que foi ao ar nos anos 70. O autor promete que mantém apenas os cerca de 20 personagens da trama anterior, mas que a história contada é outra. ” Quando a Globo aprovou, pedi o Luiz Fernando. Ele sentou aí onde você está. E nós começamos a discutir. Falei: ‘nem vou reler o que escrevi na época. Vou manter o nome dos personagens e fazer o que a censura não me deixou’. Ele vibrou”, disse ele durante a entrevista ao jornal.

A produção tem a cara visual dos trabalhos de Carvalho – inclusive lembra muito a sua minissérie sucesso Hoje É Dia de Maria e as histórias encontram-se muito no universo caipira que versa em ambas as tramas -, mas o autor faz questão de dizer que todo o trabalho de escrita é apenas seu. O neto é apenas quem digita o que dita o avô, já que o AVC complicou-lhe os movimentos das mãos. “Não consigo deixar que ninguém escreva, nem essa novela. Todos os capítulos fui eu que escrevi”, enfatiza.

Sobre a história – cheia de cores e encantamento no tratamento do diretor – que pretende contar, Barbosa não irá fugir dos temas sociais e políticos comuns também em seus projetos. “A briga da novela é exatamente quem vai ser o próximo prefeito, e chega um instante em que ninguém quer ser, porque cada um bota na cabeça os problemas que vai enfrentar, que começam no governo do estado e no governo federal. Essas coisas não me deixaram falar na primeira versão. O melhor regime ainda é o democrático. Faço uma escola de adultos em que a professora vai ensinar aquelas pessoas a votar consciente, para poder cobrar”, explica.

 

A produção tem total apoio da emissora, que se rendeu ao conceito “barroco pop surrealista” proposto por Luiz Fernando. O dono da história, embora se diga imerso de corpo e alma na ideia visual, brinca sobre o que irá ao ar. “Eu acredito totalmente. Isso acaba sendo uma soma […] A novela nasceu em preto e branco. Agora é outra história, mas essa forma que ele deu é de um encantamento que a pessoa chega a ficar maluca. O Schroder [Carlos Henrique, diretor-geral da emissora] foi lá. Quando ele viu o que já estava gravado, falou: ‘É disso que a gente precisa!’. É como eu falo: ‘Pedacinho de Chão ou vai ser um sucesso total ou vai ser um desastre desgraçado (risos). Acho que não vai ter meio termo”, diverte-se Benedito.

No elenco, intensa e perfeitamente caracterizado (confira parte dele na nossa galeria abaixo), os fabulosos Osmar Prado, Antônio Fagundes, Juliana Paes, Ricardo Blat e Emiliano Queiroz trocando experiências com os novatos Bruno Fagundes e Gabriel Sater, além dos já declarados promissores Johnny Massaro e Bruna Linzmeyer e outros poucos.

Nós estamos bem ansiosos para acompanhar essa novela e apostamos que tem tudo para ser sensacional. E vocês, acham que “vai ser sucesso total” ou “desastre desgraçado”, hein?