Nick Carter, do Backstreet Boys, nega que Paris Hilton foi culpada por seu vício em drogas

Nick Carter resolveu escrever um livro de memórias. E nele, boa parte das páginas serão ocupadas por sua história de dependência de álcool e drogas, felizmente, já superada.

• Curta o Fica Quietinho no Facebook

O comandante dos Backstreet Boys está prestes a lançar Facing the Music and Living to Talk About It – que em uma tradução literal, seria algo do tipo "Enfrentando a Música e Vivendo Para Falar Sobre Isso" -, livro no qual os fãs conhecerão os dias sombrios e obscuros que ele viveu durante o auge de sua carreira.

Segundo o próprio Nick disse ao site PopCrush, ele não responsabiliza ninguém por ter se tornado um dependente químico. Inclusive, negou também os comentários de que ele teria escrito que Paris Hilton, sua ex-namorada, é a pior pessoa do mundo e culpa por seu vício.

"É exclusivamente minha a responsabilidade de reconhecer o que aconteceu e não culpar ninguém além de mim. Mas não é porque isso acabou acontecendo que eu deveria aceitar tudo como o meu destino. Você pode mudá-lo e é com isso que meu livro tem a ver", falou o cantor.

Sobre Paris Hilton, os rumores foram alimentados pelo blogueiro-barraqueiro Perez Hilton. Ele publicou trechos que, segundo ele, seriam partes do livro de Carter e neles, o cantor detonava a moça com quem teve um relacionamento entre 2003 e 2004.

"Eu falo dela em um trecho, mas apenas mostro que nós não faziamos bem um para o outro. Eu não a culpo por ter o estilo de vida que ela tem, nem por nada que a leve a ser de determinada maneira. São apenas as circunstâncias", disse ele ao PopCrush tendo esclarecer a polêmica criada.

E como todo bom ex-viciado, Nick curte agora dar alguns conselhos à nova geração. Instigado pela publicação a dizer algo aos ídolos jovens do Pop atual, como Justin Bieber e Miley Cyrus, ele foi enfático. "Bom, eles não vão seguir o meu conselho, nem o de ninguém. Mas eu diria 'dê uma olhada no espelho! Se você gostar da imagem que olha para você, não há nada para ser mudado. Mas se você não estiver contente com o que vê, procure ajuda", instruiu.

Há cinco anos livre da dependência, Nick diz que o uso de ecstasy causou-lhe danos irreversíveis no cérebro e por conta disso, ele lida com uma constante depressão.