Jovem se descobre soropostivo e em canal no YouTube mostra tratamento contra HIV

YouTube: Jovem se descobre soropositivo e cria canal sobre tratamento contra HIV

Gabriel Comicholi é, antes de tudo, um forte. O jovem ator tem ganhado fama na internet depois de lançar o HDIÁRIO, projeto de vídeo em seu canal no YouTube onde ele fala aberta e corajosamente sobre seu dia a dia – vem daí o nome, né! – contra o HIV, vírus do qual descobriu ser portador recentemente.

Siga @FicaQuietinho no Instagram

De forma descontraída e irreverente, Gabriel fala no primeiro vídeo sobre suas reações ao saber o resultado de seus exames, a forma como lidou com a situação de espera e confirmação do seu status e sobre a falta que informação – ou talvez o excesso delas, porém passadas de forma errada e indevida – sobre o HIV, a Aids e todo o processo de tratamento.

Se o moço nunca foi youtuber, nasceu com esse dom. Além de prestar um enorme serviço de utilidade pública, ele fala de forma clara, tem carisma e, graças a tudo isso, pode contribuir imensamente com a causa. Sua proposta é desmitificar, porém sem banalizar o tema, que merece sim ser tratado com seriedade. Mas Gabriel não faz do seu canal algo mórbido, nem gera pânico. Muito pelo contrário, quem lhe assiste falar, criar de cara uma empatia por sua forma de lidar com a situação e se interessa ainda mais em ouvir o que ele tem para contar.

Curta o Fica Quietinho no Facebook

Já são dois episódios do HDIÁRIO no ar. Se no primeiro deles temos a descoberta, a prevenção, a aceitação e a coragem de vir a público, no segundo, ele trata sobre a mudança, os médicos, o primeiro dia – ou melhor, noite – de ação dos antirretrovirais. Com uma edição que chega a ser engraçada em alguns momentos, Gabriel mostra como se sente, como faz e dá dicas de como agir diante de algumas situações. Um material muito últil para toda a sociedade, que nós estamos apoiando e aplaudindo.

O HIV no Brasil

Enquanto os casos de infecção por HIV caíram 35,5% no mundo entre 2000 e 2014, o Brasil, infelizmente andou na contra-mão, segundo a Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids. Até 2014, estimava-se que cerca de 734 mil pessoas viviam com o vírus no país. No entanto, desse total, em torno de 589 mil estão diagnosticadas – ou seja, sabem que são soropositivas – e, entre elas, 404 mil pessoas aderiram ao tratamento. Entre as que estão se tratando, 338 mil encontram-se com a carga viral indetectável.

Prevenção

Além do uso da camisinha, a prevenção combinada adotada pelo Brasil inclui o tratamento antirretroviral, a testagem regular do HIV, a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP Sexual), o exame de HIV no pré-natal, medidas de redução de danos entre pessoas que usam álcool e outras drogas e o tratamento de outras DSTs.

No Brasil, o tratamento dos paciente que se descobrem soropositivos é inteiramente custeado pelo SUS e, por isso, são oferecidos gratuitamentes na rede pública de saúde todos os medicamentos necessários, os chamados antirretrovirais.