“Já chorei no palco muito mais vezes do que posso contar”, revela Selena Gomez

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Todo o mundo pensa que vida de artista é sempre maravilhosa. Que eles não passam por problemas, que basta estalar os dedos e tudo se resolve. Mas, a entrevista que Selena Gomez deu à revista Vogue americana coloca por terra todas essas impressões clichês. De coração aberto, a cantora fala sobre a forma sincera como lida com os fãs, sobre sentir-se sozinha e muito mais.

Siga @FicaQuietinho no Instagram

Foto: ReproduçãoA dona de Good For You também fez um belíssimo ensaio para a revista. Sobre os fãs, Selena disse que precisa ser autêntica com eles, mas que, às vezes, eles não curtem que ela fale umas verdades. “Não sou diferente do que mostro por aí. Venho sendo bastante vulnerável com meus fãs, às vezes digo coisas o que não deveria, mas tenho que ser honesta com eles. Sinto que isso é uma grande parte de estar onde estou”, afirmou.

Também se engana, e muito, quem pensa que a atual namorada do The Weeknd chega para o show e é animação pura. “Já chorei no palco mais vezes do que posso contar e não fico bonita chorando. Turnês são um lugar solitário para mim. Minha autoestima foi atingida, estava depressiva, ansiosa. Comecei a ter ataques de pânico logo antes de subir ao palco ou pouco depois. Sentia que não era boa o suficiente, que era incapaz. Achei que não estava dando aos meus fãs coisa alguma e que eles podiam ver isso, o que achava que era uma completa distorção”, revelou a cantora.

Curta o Fica Quietinho no Facebook

Foto: ReproduçãoO crescimento – tanto em tamanho quanto em idade – também ajudou a deixar Selena preocupada, o que agravava suas crises de ansiedade e cobranças. “Estava tão acostumada a me apresentar para crianças. Em shows, costumava fazer a plateia toda levantar os dedos e prometerem que não permitiriam que ninguém os faria sentir que eles não eram bons o suficiente. De repente, tenho crianças fumando e bebendo nos meus shows, pessoas com 20, 30 anos e olho nos olhos deles sem saber o que dizer. Eu não poderia dizer ‘todo mundo, vamos fazer uma promessa que vocês são lindos’. Não funciona assim e eu sabia disso porque estou lidando com a mesma merda que eles”, refletiu ela.

“O que queria dizer a eles é que a vida é tão estressante e eu tenho o desejo de escapar. Eu não entendia minhas próprias coisas, então, não tinha nenhuma sabedoria para dividir. Achava que todo mundo estava pensando que aquilo era uma perda de tempo”, concluiu.

Foto: ReproduçãoTerapia e novo álbum

Selena Gomez também abriu o coração a respeito de seu tratamento. A cantora falou sobre como fazer terapia e se aproximar de pessoas desconhecidas a ajudou a melhorar. “Você não tem ideia do quão incrível me senti apenas por estar ao lado de seis garotas, pessoas reais, que não estavam nem aí para quem eu era, que lutavam por suas vidas. Foi uma das coisas mais difíceis que já fiz, mas foi a melhor coisa que já fiz”, contou. “A Dialectical Behavior Therapy [técnica para tratar transtornos com uso de práticas reguladoras emocionais] mudou a minha vida. Desejo que mais pessoas falem sobre terapia. Nós garotas fomos ensinadas a sermos resilientes demais, a sermos fortes e sexy e legais. Nós também precisamos nos permitir sentir que estamos desmoronando”, aponta.

Foto: ReproduçãoSobre seu novo álbum, a garota do Texas diz não ter pressa de colocá-lo na rua. “Para variar… sinto que eu não tenho que me segurar e esperar alguém julgar o trabalho que eu estou fazendo. Não estou ansiosa para perseguir um momento. Não acho que há um momento para buscar”, afirmou ela, que tem alguns trechos e músicas completas rodando pela web.

Redes sociais

Ser a pessoa mais seguida do Instagram é um prêmio que não traz apenas felicidades – e dinheiro. Quando atingiu essa posição, Selena Gomez precisou também mudar posturas pessoais e deixar de ser refém da rede social. É o que ela revelou durante o bate-papo: “Acho que 17 pessoas têm meu número de telefone no momento. Talvez apenas duas sejam famosas. Assim que me tornei a pessoa mais seguida no Instagram, eu surtei. [O Instagram] me consumia. Eu acordava pensando nisso e dormia pensando nisso. Estava viciada e sentia que estava vendo coisas que eu não queria ver. Estava colocando coisas na minha cabeça com as quais eu não queria me preocupar. Sempre que me sentia mal quando estava olhando o Instagram. Foi por isso que eu me afastei um pouco”.

Foto: Reprodução

postado por André Vendrami em 16 de março de 2017 às 12:16