Globo aborta relacionamento gay de Pasquim e Marcello Melo Jr. em Babilônia

Globo aborta relacionamento gay de Marcos Pasquim e Marcello Melo Jr. em Babilônia

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A tradicional família brasileira tem conseguido derrubar a trama de Ricardo Linhares, Gilberto Braga e João Ximenes Braga em Babilônia. A queda no Ibope por conta dos boicotes e campanhas conservadoras contra a novela fez com que a Globo desistisse do relacionamento homossexual entre os personagens de Marcos Pasquim e Marcello Melo Jr. – previsto e divulgado desde o ínício -, segundo o site Notícias da TV.

• Curta o Fica Quietinho no Facebook

Carlos Alberto (Pasquim) será um cara heterossexual a partir de agora. Toda a sua aversão a relacionamentos com mulheres será “resolvida” com um trauma do passado. O treinador acabará contando a Regina (Camila Pitanga) que sofreu um acidente de carro com a esposa e que ela acabou morrendo.

• Siga o @FicaQuietinho no Twitter

“Eu matei minha mulher. Eu quero que você saiba. Foi um acidente horrível, eu estava dirigindo. Minha mulher morreu, a culpa foi minha, eu nunca vou me perdoar. […] Esse caso não é tão simples. Envolve outras coisas que eu descobri. Meu casamento naquela época. Foi uma fase difícil. E acabou assim. Depois disso eu nunca mais dirigi”, desabafará ele depois de uma crise ao volante enquanto socorre a filha de Regina que se machuca no treino.

Como deveria ter sido

Na versão original da história, os autores já haviam até escrito a cena em que o treinador questionaria sua sexualidade em conversa com Helô (Carla Salle), no entanto, ele diria nunca ter saído com outro homem. Aliado ao fato de não se aceitar gay, Carlos ainda se entregaria à bebida por conta de Fred (Filipe Ribeiro), seu filho e amiguinho homofóbico de Guto (Bruno Gissoni).

“Eu acho que eu sou gay. No começo, nem sabia direito, acho que eu era muito novo pra entender. Eu sempre tive curiosidade, atração, mas não podia! Eu era atleta, todo o mundo treinava junto e viajava. Pra ninguém desconfiar, eu fingia e disfarçava. Eu fui campeão olímpico, famoso, imagina se todos soubessem? Ia ser um escândalo! Você não sabe como eu fiquei aliviado quando conheci uma mulher que eu gostei, aí casei logo e tive filho. O mundo era diferente naquela época! Agora, não que seja fácil, mas as pessoas aceitam mais”, diria ele à garota de programa na cena que estava prevista para ir ao ar na última segunda-feira, 4.

Com os novos rumos, na semana que vem, após a cena com Regina, Carlos Alberto irá falar com orgulho ao filho sobre ter superado o medo de dirigir novamente. O rapaz então cobrará do pai outra coisa. “Não é só isso que você tem que encarar. Desde que a mamãe morreu, você só pensa em trabalho. No máximo rola um golfe e a associação. Está na hora de descolar uma namorada”, dirá Fred.

Outras mudanças

Sobre o destino da personagem de Marcello Melo, ainda não se tem informações. Tanto Pasquim quando o próprio Melo já haviam declarado felicidade ao interpretar um casal gay pela primeira vez na profissão. Agora, a história dos dois entra para o limbo onde também foi parar a prostituição de Alice (Sophie Charlotte), a pegada ninfomaníaca de Beatriz (Gloria Pires), os carinhos e beijos de Estela (Nathalia Timberg) e Teresa (Fernanda Montenegro) e sabe-se lá mais quantas outras mudanças de rumo ainda virão.

Mas talvez nem haja tempo para mexer muito mais. Babilônia poderá ser encurtada em quatro semanas. Segundo colunistas de TV, a Globo já teria feito circular o aviso entre a produção e o elenco de A Regra do Jogo – antes chamada de Favela Chique­ -, trama de João Emanuel Carneiro, que deve substituir a atração.