Foto: Reprodução/Instagram

FQ Entrevista | “Minhas letras são como vejo o mundo”, revela Bernardo Falcone

Bernardo Falcone é figura conhecida tanto na televisão quando na música. Beni, como costuma ser chamado, já fez uma legião de fãs quando começou a carreira de ator no canal Disney Channel, aumentou ainda mais a quantidade de jovens admiradores do seu trabalho com o Téo da versão de brasileira de Rebelde e fez sucesso ao explorar as canções do pop lançando, em inglês, o Beatification em 2014.

Siga @FicaQuietinho no Instagram

Agora, o ator, cantor e boy magya está de volta à música e estreia cantando pop em português. Beni acabou de lançar Quase Nada, o primeiro single do seu próximo EP ainda sem nome. No bate-papo divertido que teve com o Fica Quietinho, o carioca comemora o resultado do trabalho, fala sobre possíveis parcerias, revela que – como nós qualquer pessoa – já mandou e também recebeu nudes. Vem conferir:

Curta o Fica Quietinho no Facebook

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

FQ – Como foi que você descobriu e decidiu que tinha talento para a música e apostou nisso?

Bernardo Falcone – Eu estudo música desde os 12, mas não comecei com o canto. À medida que fui desenvolvendo minhas noções musicais fui me arriscando, percebendo meu registro vocal e aí comecei a cantar, de fato. O teatro me possibilitou expandir e arriscar.
Quando fui para o Disney Channel em 2008, tive que colocar tudo isso à prova e comecei a realmente me sentir cantor. E foi no canal também que compus a minha primeira versão de uma música. Era a música tema do meu personagem no seriado Quando Toca o Sino. A partir daí comecei a compor e a cantar minhas próprias músicas.

FQ – Você iniciou sua carreia fazendo sucesso com músicas em inglês. Porque você decidiu retomá-la agora com canções em português?

Bernardo É um desafio escrever música pop em português. Pra mim, pelo menos. Eu acho inglês mais fácil para esse estilo de música, mas resolvi me desafiar, sair da minha zona de conforto e escrever em português. Fiquei muito feliz com o resultado.

FQ – Quase Nada tem uma pegada bem pop que nos remeteu bastante a trabalhos de boybands como One Direction e RBD e até mesmo os sucessos dos anos 80 e 90 do Dominó e do Polegar, por exemplo. Quais têm sido suas influências musicais para essa nova fase?

Eu cresci nos anos 90, né? Influenciado pelo pop do Michael Jackson, Madonna e Janet Jackson. Quase Nada tem uma sonoridade bem 90’s realmente, mas com elementos e uma letra bem atuais.

FQ – Seu novo EP deve ser lançado ainda este ano, no segundo semestre. Já tem nome?

Eu tenho algumas ideias e conceitos para nome e sonoridade, mas ainda são só ideias. Terei que testá-las e deixar o processo me dizer qual caminho seguir. Mas certamente será muito pop, do jeito que eu gosto!

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

FQ – O que os fãs podem esperar do novo trabalho?

Minhas letras retratam sempre a maneira como eu vejo o mundo. Se meus fãs pararem para ler, vão me conhecer melhor, sem dúvida. E espero que, com isso, eles se identifiquem.
E é isso que eles podem esperar de mim sempre: um companheiro de jornada disposto a dividir minha visão de mundo com eles.

FQ – Teremos parcerias como em Beatification?

Espero que sim!

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

FQ – Pensou na possibilidade de cantar com Chay Suede e Sophia Abrahão, seus companheiros de Rebelde? E com seus companheiros da OH, Nikki e Leandro Buenno?

Eu me amarro no processo colaborativo dessas parcerias. Criar junto do outro, ver o outro brilhar, ver uma música tomando uma forma diferente do que você havia imaginado, tudo isso é muito enriquecedor. Eu adoraria gravar com todos esses citados e mais vários outros que estão numa “lista mental”. Eles sabem que é só eles dizerem “sim” que eu crio algo na hora! rs

FQ – Então você também compõe?

Todas as músicas que eu já gravei foram compostas por mim. Em alguns casos, chamei amigos para me ajudarem. Quase Nada é 100% composta por mim.

FQ – Já temos shows do Bernardo Falcone acontecendo?

Estamos estruturando tudo isso. Quero rodar por aí e ver o rosto de todos que curtem meu trabalho e que mantenho contato através das redes sociais. Nada como o carinho do contato ao vivo.

FQ – Atualmente seu foco é ser cantor. A carreira de ator deve ser retomada em algum momento? Já existem projetos?

Claro! Não tem como eu deixar de lado a minha carreira de ator. As duas me dão alegrias e me proporcionaram momentos fantásticos. Não há nada concreto agora que eu possa dividir com vocês, mas a carreira de ator segue em frente também.

FQ – Como você lida com toda essa exposição que a música e a televisão geram?

Eu lido bem. De verdade! No fundo, é um reflexo de que seu trabalho está tendo a atenção desejada.

FQ – Nós notamos que você curte as redes sociais: posta bastante no Instagram, no Snapchat, responde a galera da sua fanpage e interage no Twitter. Quais são os prós e os contras de ser tão ativo assim?

O lado bom é conhecer mais a fundo quem são aquelas pessoas que estão ali. Eles não são só seguidores, são pessoas dos mais diversos tipos, cidades, idades, sotaques, etc. E isso é o que há de mais especial nesse contato. Eu amo gente! Isso é meu material de trabalho. Tem gente que me acompanha desde que eram crianças. Hoje são adolescentes cheios de sonhos!

O lado ruim é que essa distância às vezes faz com que eles esqueçam que eu faço outras coisas da vida, que nem sempre vou estar online, que às vezes não dá pra responder todo mundo. Mas com uma boa conversa a gente se entende.

FQ – E vamos lá falar um pouquinho da sua vida pessoal. Que manias você tem? O que você mudaria em você se tivesse direito a um desejo?

Eu não diria bem que é uma mania, mas eu não posso ficar muito tempo sem comer, porque me sobe um mau humor do cão e eu acabo descontando em quem estiver comigo.

Se eu tivesse direito a um desejo, eu gostaria que as coisas se acertassem no Brasil e no mundo. Estamos vivendo tempos esquisitos.

FQ – Bernardo Falcone é um rapaz solteiro para a alegria da galera?

Bernardo Falcone é a alegria da galera, vamos dizer assim. rs

FQ – É fácil conquistar o Beni? Que tipo de pessoa te atrai?

O que me atrai é humor inteligente, capacidade de conversar, gente real, de verdade. Não tenho paciência pra gente fake.

FQ – Rola muito assédio das meninas? E dos meninos?

Rola sim… Dependendo do conteúdo que eu posto, vai mais pra um lado ou para o outro.

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

FQ – Recebe muitas nudes nas redes sociais? Não vale mentir, hein! Já mandou?

Então, eu tive que dar uma filtrada no meu Snap, porque tava recebendo muita. E, às vezes, eu estou no meio de algum evento sério e me chega uma nude. Puxado! Mas já mandei nude sim. Não no Snap.

FQ – O que não pode faltar na geladeira? No guarda-roupa? No flerte? No primeiro encontro? Na cama?

Geladeira: ovo, queijo e frutas. Guarda roupa: Jeans e camiseta branca. No flerte: Inteligência. No primeiro encontro: algo além do beijo. Na cama: algo além do sexo.

FQ – Uma qualidade. Um defeito. Uma música. Um lugar. Um desejo.

Qualidade: meu senso de (mau) humor. Defeito: Impaciência. Música: Gracias a La Vida – Mercedez Sosa. Um lugar: Búzios (RJ), minha cidade do coração. Um desejo: viver da minha arte até o fim.