Fifth HarmonyFoto: Reprodução/Instagram

Com Fifth Harmony e muito sertanejo, VillaMix Festival mostra que respeito à diversidade cabe em qualquer lugar

Que o sertanejo está novamente no seu auge, ninguém discorda. E que, além dele, ainda há espaço para agradar todo mundo, é ainda mais fato consumado. Foi exatamente isso o que o VillaMix Festival provou com maestria neste final de semana em São Paulo.

Além de atrações como Simone e Simaria, Jorge e Mateus e outros grandes nomes do sertanejo atual, o festival trouxe para São Paulo as meninas do Fifth Harmony. Bom, a comunidade LGBT curte muito o pop e também está bastante interessada no ritmo “caipira”, então é claro que muitos homossexuais estavam no Estádio do Morumbi para acompanhar o evento.

E foi maravilhoso poder conferir de pertinho – obrigado, Time For Fun! –, além de todos os shows, a belezura que foi a sintonia entre o público. Não havia nenhum sinal de preconceito com os beijos – sim, na boca! – entre os moços, os carinhos trocados e muitas mãos dadas desfilaram pelo gramado sem olhares tortos ou discriminação. O ambiente de respeito e despreocupação com a vida alheia era bonito de ver.

Sua Cara

Além de incríveis na sofrência, Simone e Simaria levaram a galera à loucura quando soaram as primeiras notas do hit LGBT de 2017. As irmãs não titubearam e incluíram no setlist do show o sucesso de Anitta, Pabllo Vittar e Major Lazer. Sua Cara fez todo mundo quicar quando o grave bateu: gays, lésbicas, heterossexuais e até mesmo a galera que estava ali trabalhando deu uma descidinha de leve até o chão. Era a deixa para avisar que o VillaMix Festival era, sim, para todxs!

E não teve quem ficasse parado curtindo as coleguinhas @simoneesimaria no #VillaMixSP! #OMundoÉMix #CervejaBrahma #VillaMixLive

Uma publicação compartilhada por VillaMix Festival (@villamix) em

E a partir daí não faltou gente perdendo o  medo e  a vergonha de dançar agarradinho. Nem a chuva que volta e meio teimava em aparecer desanimou a galera. Os casais – independente da orientação – faziam declarações de amor ao som de Te Assumi Pro Brasil e O Nosso Santo Bateu, delícias de Matheus e Kauan, Paredes e Sosseguei, de Jorge e Matheus, e claro, se jogou demais quando subiram ao palco as meninas do Fifth Harmorny.

Alok, nosso mozão, responsável pela transição do clima de sertanejo para o pop, também fez bonito. Até um remix de Mi Gente, de J Balvin e Willy William, o DJ goiano fez e o público surtou. Era pulo, era beijo, era brisa, era Skol Beats. Era todo mundo em sintonia. Destaque também para a versão especial, com direito a orquestra, de Hear Me Now.

Fifth Harmony

As meninas do Fifth Harmony chegaram com tudo. O VillaMix Festival esperava ansioso por essa entrada no palco. Início da noite e surgem em vestidos prateados Ally Brooke, Normani Kordei, Lauren Jauregui e Dinah Jane.  Gritaria, emoção e canções na ponta da língua. Não houve uma canção que o público não estivesse pronto quando as cantoras deixavam o vocal para a plateia.

Um show cheio de hits – Work from Home, All in My Head e Worth It, por exemplo – mas, sentimos sim a falta de Sledgehammer e That’s My Girl. Iremos sobreviver, claro, mas queríamos sim essas duas gostosinhas no setlist. De resto, foi maravilhoso assistir a mais um show dessas quatro que a gente tanto curte. Foi lindo quando elas encerraram o show com uma bandeira do Brasil e outra do arco-íris, símbolo da luta LGBT.

E que venha o VillaMix Festival 2018. E que venha a edição de São Paulo e, se pá, a de Goiânia também. Bora com a gente, Brasil?