Cacique desaprova Beyoncé em filme sobre mulher usada em freak shows

Cacique se irrita com a escolha de Beyoncé para interpretar mulher usada em freak shows

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Tava faltando um bafão para o ano começar bem. E o primeiro quiprocó do pop de 2016 envolve Beyoncé, que estaria liderando a produção de um filme no qual interpretaria a africana Saartjie Baartman em um filme que contará a história desta mulher, que viveu no século XIX e foi explorada na Europa em shows de aberrações.

• Curta nossa página no Facebook

O problema é que Jean Burgess, um cacique africano, ficou revoltadíssimo com a possível escolha de Beyoncé para o papel e deu uma entrevista ao site News 24, da África do Sul, dizendo que a cantora não é digna do papel.

“Ela não tem a dignidade humana básica para escrever a história de Saartjie, muito menos fazer o papel. Por quê Sarah Baartman? Por que não uma história de uma mulher indígena americana? Só posso ver arrogância em sua tentativa de contar uma história que não é para ela contar”, disse.

Jean é representante do Ghonaqua First Peoples, entidade que representa e defende os povos originários da África do Sul. Saartjie nasceu no país, mas foi contrabandeada para Londres, onde era apresentada em freak shows. Suas “anomalias” eram a cor da pele (negra) e seu enorme bumbum. Veja alguns registros da imagem de Saartjie:

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Além de ser exposta ao ridículo, os homens que assistiam ao tal show podiam tocar à vontade em suas partes íntimas, já que ela não era considerada humana. O cacique vê a escalação de Beyoncé como uma afronta ao povo khoikhoi, do qual pertenceu Saartjie.

“Ignorando o fato de que os khoikhoi estão vivos e que a história de Saartjie teria um impacto em como somos representados, é um erro de uma grande magnitude”, disse.

O filme ainda está em fase de pré-produção e não há maiores informações. E até o momento, Beyoncé não se pronunciou sobre o caso.