A BabáFoto: Reprodução

‘A Babá’, filme da Netflix, mostra que não se levar a sério às vezes é a melhor coisa

Chegou à Netflix na semana passada mais uma produção original do serviço de streaming: a comédia “de terror” A Babá, que tem direção de McG (responsável pelos dois filmes da série As Panteras). Demos boas risadas em meio a um banho de sangue e terror gore neste filme que, ao não se levar a sério, conquista com seus exageros e momentos a lá Esqueceram de Mim (para maiores de idade!).

A história gira em torno de Cole (o ótimo Judah Lewis), que resolve ficar acordado uma noite para ver o que sua babá – a estonteante Bee (interpretada por Samara Weaving) – apronta enquanto ele dorme. Acontece que tudo se transforma em um grande pesadelo quando Cole testemunha a babá e seus amigos praticando um ritual satânico. A partir daí o menino precisa fugir de Bee e sua gangue, que pretendem matá-lo.

O filme é para aqueles que adoram uma produção gore e exagerada: não espere momentos de puro terror ou situações críveis, aqui vale o exagero! Sangue jorrando de buracos feitos no corpo, personagens caricatos ao extremo, diálogos baratos e situações divertidamente grotescas. Afinal, estamos falando de um filme de McG – que explorou estas características de exagero em As Panteras Detonando.

Entre os amigos de Bee, temos Max (Robbie Amell) que passa quase o tempo todo do filme sem camisa, mostrando seu corpo escultural, sem um motivo razoável. Inclusive, em uma das cenas mais engraçadas do filme, Sam é questionado por Cole sobre o porquê de estar sem sua camisa.

Bella Thorne, queridinha dos adolescentes americanos, é Allison, a típica cheerleader com o QI próximo ao zero. Hana Mae Lee (você vai se lembrar dela de A Escolha Perfeita) é Sonya e Andrew Bachelor o divertido John.

Vale a pena

A Babá é um filme leve, divertido e rápido. Não tem enrolação, as situações acontecem de forma ligeira e traz efeitos ótimos: prestem atenção na câmera lenta sempre que Cole fala com Melanie (Emily Alyn Lind), sua melhor amiga da escola, e os “letreiros” que aparecem de vez em quando na tela (uma ótima homenagem e referência aos filmes de Robert Rodriguez).

A Babá é uma opção ótima para uma tarde com os amigos: ao não se levar a sério e se focar em simplesmente entregar uma comédia eficiente (com alguns litros de sangue e violência), o filme acerta em cheio!