Foto: Vinícius Costa/Fica QuietinhoFoto: Vinícius Costa/Fica Quietinho

“Agora é só mais amor, respeito e inclusão LGBT”, diz MariMoon em cima do trio da Skol

O desfile de cores na Avenida Paulista no último domingo, durante a 20ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, se misturava aos coloridos cabelos da blogueira MariMoon, uma das convidadas do trio da Skol, marca parceira do evento.

Siga o Fica Quietinho no Instagram

Junto a artistas e influenciadores, MariMoon mostrava seu apoio à causa. “Eu, como uma pessoa que sempre morou do lado do roteiro da Parada desde meus 7 anos de idade, estou acostumada, desde que nasci, a viver em um ambiente onde sempre foi muito normal interagir com pessoas da comunidade LGBT, para mim é natural. É tudo óbvio”, afirmou.

Curta o Fica Quietinho no Facebook

Ao lembrar que, embora já aconteça há 20 anos, somente em 2016 a Parada foi incluída no calendário oficial de eventos da cidade, a ex-MTV defende que isso torna a festa ainda mais importante enquanto uma forma de luta e protesto. “Eu só acho que demorou”, dispara a blogueira. “Mas é legal olhar para trás e perceber o quanto mudou. Pega o tempo dos nossos avós, por exemplo, o quanto a gente evoluiu, quanta coisa a gente conquistou desde lá. Nunca isso que está acontecendo aqui hoje iria acontecer naqueles tempos”, destaca.

Foto: Vinícius Costa/Fica Quietinho

Foto: Vinícius Costa/Fica Quietinho

O clima de esperança e alegria pautou todo o discurso da MariMoon: “Vamos olhar pelo lado bom e agradecer pelo momento em que estamos vivendo: tanta gente consciente,  tanta gente abraçando a causa, tanta gente que está aceitando todo mundo sem se importar se é homem ou se é mulher, todo mundo vivendo no mesmo ambiente em harmonia”.

Como blogueira e digital influencer, ela está acostumada aos haters e comentários maldosos gratuitos. Algo que pode ser relacionado ao preconceito que a comunidade LGBTTs sofre diariamente. Como lidar com isso? MariMoon tem a resposta na ponta da língua.

“Se a pessoas está fazendo algo que não está certo é para lidar com amor. Muita gente só precisa disso”, conta ela. “O hater, aquela pessoa do mal, agressiva, preconceituosa só vai ser curada com amor. Vem na nossa vibe boa”, convida ela, sorrindo e fazendo coraçãozinho com a mão.

E como recado final, ela deixa uma lição de respeito ao próximo e compreensão: “Daqui para a frente é só mais amor, mais respeito, mais inclusão e apoio. Sem alguém está agindo de maneira errada, equivocada, abrace e ensine com amor, carinho, respeito e alegria. Mais amor, por favor!”. Fica a dica, né?