No Grammy, Adele não quis dividir tributo a George Michael com Beyoncé e Rihanna

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A gente está custando a acreditar nessa história, mas vamos lá. Todo mundo que assistiu ao Grammy 2017 no último domingo, 12, viu que Adele prestou um lindo tributo a George Michael. A britânica cantou Fast Love, um dos sucessos do cantor morto em dezembro de 2016. Até aí, tudo maravilhoso, certo?

Siga @FicaQuietinho no Instagram

Porém, de acordo com a MTV americana, a dona de If I Ask não quis dividir o palco da premiação com Beyoncé e Rihanna durante o tributo. Quem revelou a história foi Ken Ehrlich, produtor do evento. Segundo ele, a ideia do tributo era bem maior, com mais hits de Michael, além de Freedom e a presença das duas outras divas do pop.

Curta o Fica Quietinho no Facebook

“Adele tinha uma visão diferente e quis fazer daquele jeito”, explicou ele à MTV. Segundo suas palavras, a cantora “demonstrou paixão o suficiente para comandar a apresentação sozinha”.

Outro lado

No entanto, há controvérsias. Segundo sites especializados em notícias sobre a cantora – como o Portal Adele Brasil –, essa não foi uma decisão tomada pela britânica. De acordo com outras informações, quem teria acertado todo o esquema do tributo seria a família de George Michael. Foram eles que optaram por ter a dona de Hello sozinha no palco.

E vamos combinar, Brasil, depois do discurso de amor que Adele fez para Beyoncé ao ganhar o prêmio de Melhor Álbum, essa história toda de boicote não faz ao menor sentido, não acham?

postado por André Vendrami em 14 de fevereiro de 2017 às 21:55